Curta nossa página no facebook e receba atualizações e notícias relevantes.

O que é uma Intervenção Militar? De Liberdade Econômica.

O que é uma Intervenção Militar?

A Intervenção Militar é prevista em Lei, e passa a ser um dever das FFAA (Forças Armadas), quando o governo sobrepõe-se aos Valores da Nação, por imposição; isto, porque as FFAA são instituições permanentes, e as eternas GUARDIÃS do Estado, da Nação, da Bandeira, e do Povo que venha a ser oprimido por seu governo.

A INTERVENÇÃO não se confunde com o GOLPE, porque são institutos diversos e inconciliáveis, isto, porque, na INTERVENÇÃO, o que se faz é apenas a aplicação da LEI DEMOCRATICAMENTE LEGISLADA, a qual é preexistente e conhecida por todos os brasileiros; essa Lei existe para a garantia da LIBERDADE, e também, por ser o meio legal de se impedir que o governo continue a defraudar a Nação, e para se impedir a inversão de prioridades em detrimento do POVO.

Então, não se pode haver TEMOR sobre aquilo que é previsto em Lei. É a lei que afirma que quando o governo (presidente com seus gabinetes/ministros) não cumpre a Lei, DEVERÁ haver intervenção (artigo 142, e p.u. do artigo 1º da CF/88, dentre outros).

A intervenção é o último recurso do POVO oprimido, a qual se consagrará quando houver o silêncio ou conivência do Legislativo e do Judiciário com a política reflexa imposta pelo governo, em Opressão ao Povo.

A Lei dá ao POVO duas formas para se limitar a atuação do governo, que são: Uma pelo voto (forma indireta); e a outra por meio do pedido de intervenção às FFAA (forma DIRETA), a qual se concretiza com a ida do POVO às ruas, para pedir a aplicação da Lei Legislada. Portanto, sua legalidade é tão idêntica quanto ao do voto nos candidatos impostos pelas siglas partidárias.

O Estado Democrático de Direito é uma ordem jurídica na qual deve submeter-se desde o mais simples indivíduo, até aquele que representa o mais alto escalão ou Poder de governo, porém, exige-se o respeito ao direito e às Leis vigentes no País, as quais foram juradas no ato de suas respectivas posses no cargo.

Pois bem. Todos devem submeter-se à Lei e à Norma Jurídica preexistente, e assim, compreende-se que a autoridade governamental ou institucional que venha a cometer uma infração legal, ou de conduta, ou de moral, ou de ética deverá submeter-se à aplicação da norma jurídica punitiva, que é a Lei, e que no caso é a “Lei da Intervenção”.

A indicação que se tem do cenário político é de que a Bandeira Nacional pode estar de ponta-cabeça, com o POVO rendido aos desmandos, às violações da ordem, às violações das normas jurídicas, e às inversões de Prioridades de Interesses Nacionais, portanto, compreende-se que o Povo Consciente têm o dever de solicitar/pedir para que as Instituições Permanentes venham a restabelecer o Estado de Direito.

Portanto uma Intervenção Militar só pode acontecer quando o povo está sendo ameaçado por seu governo. E isto pode durar todo o tempo necessário para que os opressores sejam punidos de acordo com a lei.

Porque é necessário uma Intervenção Militar

A Intervenção Militar é o último recurso do povo oprimido que precisa lutar contra o governo. Então o povo oprimido pede aos Militares das Forças Armadas que façam isso por eles.

Porém, antes de mais nada precisamos compreender como funciona todo o processo.

Primeiro devemos saber que para o bom funcionamento de nossa Democracia foi criado a Divisão Tripartida dos poderes entre Executivo, Legislativo e Judiciário.

No Executivo nós temos o Presidente e seus Ministros. No Legislativo nós temos os Deputados e Senadores. E no Judiciário nós temos os Juízes e Advogados.

A vantagem deste sistema é o fato do Presidente ficar impedido de fazer as leis por sua própria conta. Então, quando o presidente faz as leis por sua própria conta, se chama “Legislar por Decreto” e isto é uma “Ditadura”.

Assim, em nosso sistema democrático, se o presidente quer fazer uma nova lei, ele precisa enviar para os Deputados e Senadores que irão debater entre eles pra ver se vale a pena aprovar aquela lei. Como os deputados e senadores são eleitos pelo povo, então a chance de atenderem as vontades do povo é bem maior do que se o Presidente fizesse as coisas por sua própria conta.

Outras atribuições tanto do legislativo quanto do judiciário é o poder para julgar os crimes dos políticos, inclusive do presidente se for necessário. Um exemplo é o julgamento que o STF está fazendo em relação aos mensaleiros.

Porém pode acontecer dos Deputados e Senadores estarem a favor do Governo, seja porque sentem simpatia ou porque estão sendo comprados (Como no caso do Mensalão Petista). O mesmo pode acontecer em relação aos ministros do STF. Desta forma as leias propostas pelo Presidente seriam aprovadas com muito mais facilidade e seus crimes não seriam julgados. Assim fica mais fácil aprovar leis para controlar a mídia, para calar opositores ou mesmo para destruir a divisão tripartida e dar ao presidente o poder para “Legislar por Decreto”. É justamente isto que está acontecendo na Venezuela. O Maduro pode aprovar a lei que ele quiser a qualquer hora.

Quando isto acontece o povo ainda tem um recurso que é uma Intervenção Militar através das Forças Armadas como foi mostrado no inicio.

Neste caso as Forças Armadas irão prender o presidente e julgar os seus crimes em um tribunal como qualquer criminoso. Em seguida, assim que for possível, irão sair do poder e restaurar a democracia. Exatamente da forma como aconteceu aqui no Brasil. Porém, para que isso aconteça, é necessário primeiro que o povo saia para as ruas e peça a intervenção, caso contrário os Militares não poderão fazer nada.

Como podemos ver, apesar de todas as suas falhas, este é o sistema mais democrático que temos atualmente. Todos os países que negam esta divisão tripartida e não conferem ao povo o poder sobre as Forças Armadas são as piores ditaduras do mundo.

E estas ditaduras são todas comunistas ou com algum tipo de tendência ao comunismo como é o caso das ditaduras islâmicas.

Os comunistas negam a divisão tripartida e defendem que o líder comunista tenha o poder para “Legislar por Decreto” de tal forma que todo o exercito esteja sob o seu controle e não possa atender aos interesses do povo.

Por isso, sempre que um comunista chegar ao poder ele sempre vai tentar mudar as leis para conseguir o direito de “Legislar por Decreto” e sempre vai fazer o possível para instrumentalizar as Forças Armadas e coloca-la a seu serviço de tal forma que o povo fique impedido de influenciar a política.

Em um sistema comunista o povo não pode intervir na política através dos deputados e senadores. E não pode intervir através das Forças Armadas.

Porque sou contra uma Intervenção Militar agora

Então agora vamos falar porque não é o momento de fazer este pedido.

Os organizadores da Marcha estão chamando as pessoas através do Facebook. Veja aqui.

Assim, para que compreendamos porque isso não é uma boa ideia, precisamos compreender como era o cenário em 64 e como é o cenário hoje:

Cenário da Época:

O principal motivo para o Intervenção de 64 ter acontecido é o fato de estarmos sendo ameaçados pela União Soviética.

Naquele momento os exércitos soviéticos estavam espalhados por boa parte da Europa, Asia, Africa e estavam se preparando para vir para a América.

Os Comunistas já tinham tomado vários países da Europa como a Rússia e vários países em volta como a Ucrânia. Naquele momento pelo menos uns 10 milhões de pessoas já tinham sido mortas somente na Ucrânia. Na China 50 milhões já estavam a caminho, sem falar nos outros milhões em outros países da Asia e da África.

 

coreiadonortecamposafp02

Foto de 1952 dos campos que mostra prisioneiros norte coreanos e chineses segurando retratos dos líderes comunistas, Stalin e Mao Tse-Tung

Aqui na América eles estavam tentando fazer a mesma coisa. Che Guevara tinha se encarregado de dar o Golpe para os Soviéticos, contudo ele conseguiu somente Cuba. Porem a União Soviética continuava de olho na América e principalmente no Brasil, pois, se eles tomassem o controle do Brasil então ficaria fácil tomar todo o resto da América. Esta seria uma guerra terrível e milhões de pessoas seriam mortas.

É claro que os comunistas que tomassem o Brasil não seriam nem um pouco diferentes dos comunistas da Ásia e Europa. Tudo que eles precisavam era tomar o poder absoluto e começarem a Legislar por Decreto da mesma forma que Stalin e Mao faziam em seus respectivos países.

Os comunistas ja tinham tentado um Golpe em 35. O líder tinha sido o Carlos Prestes, mas fracassou. O tempo passou e eles resolveram chegar ao poder democraticamente para dar o Golpe de cima pra baixo corrompendo as instituições do país. Mas, novamente, não conseguiram.

O que os comunistas sempre desejaram fazer no Brasil e no resto da América era o mesmo que estavam fazendo em Cuba. Por isso sempre receberam ajuda dos comunistas cubanos. Então, se os Militares não tivessem dado um Contra-Golpe em 64, hoje estaríamos na mesma situação de Cuba e o comunismo dificilmente teria caído. Portanto o mundo inteiro seria refém de pessoas que não se resumiriam em escravizar apenas os médicos, mas escravizariam todo o resto da mesma forma que fazem em todos os países que ainda controlam.

Se os comunistas tivessem ganhado a guerra, hoje estaríamos vivendo em um enorme formigueiro.

Na época os jornais noticiavam tudo o que estava acontecendo no mundo e todos sabiam dos milhões de pessoas que estavam morrendo e também sabiam que em breve isto poderia acontecer com o Brasil. Sabiam também que os exércitos Soviéticos estavam prontos para invadir a América. E isto poderia significar a vitória Comunista. E mesmo que perdessem, ainda sim deixariam milhões de cadáveres como estavam deixando na Europa, Ásia e África.

Jango já estava a algum tempo na presidência, mas estava traindo todos os princípios democráticos que jurou defender. Estava fazendo varias declarações totalitárias onde afirmava que faria as coisas  mesmo que ninguém quisesse. Ele tinha vários projetos que tinham o objetivo de minar a  democracia permitindo que ele se perpetuasse no poder e pudesse legislar por decreto, ou seja, não precisaria pedir a opinião do parlamento.E ainda tinha o apoio que dava e recebia da União Soviética e de Cuba com a óbvia intenção de abrir caminho para que tomassem o Brasil.

20110310-140364

Por este motivo vários movimentos sociais (Maçonaria, Liga das Senhoras Católicas, Associações Comerciais de todo o Brasil, ABI, OAB, etc, etc, além de vários governadores de Estados) ficaram pelo menos uns dois anos organizando a manifestação com a intenção de fazer uma intervenção. Isto não foi de uma hora para a outra. Quando as pessoas saíram para as ruas eles já estavam preparados em todo o Brasil de uma forma muito bem organizada.

marcha da familia 1964

Então, a coisa foi tão bem feita, que não teve confrontos de grandes magnitudes. Os comunistas viram que não poderiam lutar, que tudo estava muito bem organizado e que o melhor era fugir. E assim aconteceu. O Jango foi um dos primeiros a fugir.

Então, como podem ver, o cenário da época era totalmente diferente do nosso cenário atual.

Uma das diferenças principais hoje em dia é a falta de organização daqueles que desejam uma intervenção militar. Se isso acontecesse pode ter certeza que não duraria mais de um mês a não ser que estivessem dispostos a sair pelas ruas matando pessoas como verdadeiros ditadores, para depois a culpa cair em cima da “Direita”. Como sempre acontece.

Cenário Atual:

Agora vamos ver como está o nosso cenário atual:

O principal motivo para o Intervenção de 64 ter acontecido é o fato de estarmos sendo ameaçados pela União Sovietica que, como todos sabem, não existe mais.

Todo o Período Militar foi justificado pelas ameaças da União Soviética. É por esse motivo que, no momento em que a União Soviética caiu, já não existia motivos justos para os militares continuarem no poder. Foi por isso que se retiraram permitindo que a democracia retornasse.

Esta é uma diferença básica entre direita e esquerda. Veja as Ditaduras Comunistas de Cuba, China, Coreia do Norte, Guine Equatorial, Zimbábue, etc, etc.

Eles estão no poder até hoje. Fidel e seu irmão estão no poder de Cuba a mais de 50 anos. Agora imaginem se eles tivessem conseguido tomar o poder aqui no Brasil? Eles seriam os nosso ditadores ate hoje e estaríamos na mesma situação precária dos Cubanos.

Por este motivo devemos enfatizar esta qualidade da Direita. A Direita apoiou os Militares para que pudéssemos nos defender de um exercito totalitarista e genocida que iria nos matar aos milhões e nos escravizar. Porém saíram do poder assim que o risco acabou e deixaram que a democracia retornasse.

Foi exatamente assim que aconteceu nos Estados Unidos quando George Washington tomou o poder. Seu objetivo era fazer um pais independente da Inglaterra. Assim ele reuniu um exercito, foi pra guerra, ganhou e se tornou o líder absoluto do pais. Tão logo isso aconteceu ele se declarou presidente e, depois de quatro anos, convocou eleições livres. Assim ele ganhou e cumpriu um segundo mandato. Logo em seguida ele se retirou e pediu para que seguissem o seu exemplo no futuro. Por isso ate hoje, por mais de 200 anos, os EUA nunca tiveram uma ditadura e seus presidentes nunca ficaram mais do que dois mandatos de 4 anos cada.

E isto acontece porque a Direita é forte nos Estados Unidos. Se a esquerda por lá fosse tão forte quanto é no Brasil então podem ter certeza que os esquerdistas já teriam tentado destruir este sistema e os Militares dos EUA já teriam feito intervenções.

Portanto, onde a Direita é mais forte, sempre teremos este sistema de dois mandatos de 4 anos com a Divisão tripartida.

Isto é conhecido como “Democracia Ocidental” e é um legado da Direita que devemos defender ate o final. Porém, não as custas da própria democracia.

Se foi dado um Contra-Golpe em 64 é justamente porque estávamos sendo ameaçados por ditadores que ficariam no poder pelo resto da vida, como é o exemplo do Fidel e agora de seu irmão.

Mas assim que as coisas se acalmaram então os Militares se retiraram para que a “Democracia Ocidental” fosse restaurada.

É por esse motivo que, se a sua intenção for destruir este sistema democrático, então, sinto muito dizer isso, mas você não é de direita.

Atualmente não existe nenhum exercito soviético ameaçando invadir o nosso pais. Como podemos ver, os exércitos Russos mal estão conseguindo entrar na Ucrânia que fica ao lado da Rússia. Então como poderiam invadir o nosso país?

E vejam todas as criticas que estão recebendo por enviar soldados para a Ucrânia. Vários órgãos estão contra eles como a ONU e a União Europeia. Por isso, está mais do que claro, que as situação atual não é a mesma de 64.

Eles não estão espalhados por boa parte da Europa, Ásia, África e não estão matando “milhões” de pessoas como estavam fazendo naquela época.

Os comunistas não tomaram vários países da Europa como a Russia e vários países em volta como a Ucrânia. Eles não estão matando milhões de pessoas.

E ainda tem as nossas leis atuais que colocam muitos obstáculos fazendo com que tanto comunistas quanto nazistas tenham muita dificuldade para implantar o mesmo terror que foi implantado no século passado.

A Marcha atual não recebeu apoio de grandes órgãos como Maçonaria, Liga das Senhoras Católicas, Associações Comerciais de todo o Brasil, ABI, OAB, etc, etc, e nem de vários governadores de Estados. Não foi organizada e não conta com o apoio ou participação de nenhum ícone da direita.

E ainda devemos enfatizar a situação política e financeira de nosso país.

Por mais que haja corrupção em nosso pais ainda assim o nosso nível de Democracia é muito mais alto do que naquela época. E está muito mais alto do que a maioria dos países da América Latina. Estamos muito melhor do que a Venezuela e a Argentina.

Temos ainda nossa economia que, graças a Fernando Henrique, esta muito mais sólida do que estava na época da intervenção. Um governo totalitário dificilmente se forma a não ser que a economia esteja em frangalhos. O que não é o nosso caso.

Por isso, fazer uma Intervenção Militar neste momento só faria com que os comunistas fortalecessem o discurso de que são coitadinhos injustiçados.

 

Outros fatores que mudaram

Cristianismo

Na Russia são 105,2 milhões de cristãos. Isto é mais ou menos 73,6% da população.

Veja neste quadro quais são os dez países com a maior quantidade de cristãos segundo o Pew Research Center

 

center

Como sabemos o cristianismo é o principal obstáculo para a implantação do comunismo. É por isso que o comunismo só foi realmente imposto onde os cristãos são uma minoria.

Veja o exemplo da China que tem somente 5% de cristãos. É por isso que o comunismo por lá é muito mais forte do que na Rússia que tem 73.6% de cristãos em sua população.

Se os comunistas tentassem dominar a Rússia, da mesma forma que os soviéticos fizeram, eles receberiam uma forte oposição dos cristãos. E isto já acontece. Por este motivo os atuais lideres da Rússia tem que tomar cuidado e, muitas vezes, além de se declararem cristãos, eles precisam aderir a princípios capitalistas se não quiserem uma revolta liderada pelos próprios cristãos.

Agora veja a quantidade de cristãos de acordo com as regiões do mundo:

 

comu

Como podem ver a força dos comunistas aumenta ou diminui de acordo com a força dos cristãos.

Os comunistas sempre foram mais fortes na Ásia onde o cristianismo é mais fraco. Da mesma forma os comunistas fracassaram aqui na América justamente porque o cristianismo é mais forte.

Hoje a oposição é muito maior do que era naquela época. E não é tão fácil fazer hoje o que fizeram no século passado, pois já não dá para convencer as pessoas a odiarem os cristãos da mesma forma que fizeram naquela época.

Hoje em dia ninguém será pego de surpresa. Todos conhecem a história e vão reagir com muito mais força.

 

Capitalismo

Naquela época o discurso anticapitalista era muito mais forte. Porém as coisas são diferentes hoje em dia.

Eu vejo isso claramente neste site e na pagina do facebook onde defendo abertamente o sistema capitalista.

As pessoas estão muito mais receptivas a aceitam com muito mais facilidade a ideia de que capitalismo trás riqueza para as pessoas e o socialismo trás pobreza.

Os comunistas só ganharam toda aquela força no século passado porque as pessoas aceitavam com muita facilidade a ideia de que capitalistas eram do mal e socialistas eram do bem. Contudo, hoje em dia, as coisas mudaram.

Toda a experiência socialista do século passado nos dá todo o material que precisamos para desmoralizar os socialistas com muito mais facilidade do que era possível fazer no inicio do século passado.

Da mesma forma hoje temos uma infinidade de exemplos da superioridade do capitalismo e ainda temos muitas obras que não existiam naquela época como por exemplo as obras de Ludwig von Mises e outros autores da Escola Austríaca.

Por este motivo já não é mais possível eles hipnotizarem as pessoas com o discurso “Anticapitalista”, da mesma forma que fizeram naquela época.

O que aconteceria em uma Intervenção Militar?

Este artigo da Sociedade Militar resume muito bem como é complicado fazer uma intervenção sem um plano ou um motivo que valha a pena. E nos mostra todo o caos social que seria produzido para, no final, não dar em nada.

Vou colocar apenas o trecho que nos interessa:

Será que essas pessoas que pedem uma Intervenção Militar sabem mesmo o que estão pedindo? Como seria essa “intervenção”, seria realizada legalmente, baseada em provas palpáveis e acusações formais contra membros do governo, como a Presidente e o Vice-presidente? Os militares conseguiriam intervir sem disparar um único tiro, ou o sangue de nossos compatriotas – de esquerda ou de direita – seria derramado em nossa própria terra?

Sabe-se que as coisas chegaram ao nível em que estão, de uma forma gradual, com a colaboração de nossa própria passividade. Ao longo desses anos permanecemos quietos em nossas casas, gozando de nosso conforto e assistindo do sofá a destruição de pilares como patriotismo, família, honestidade e honra. Se houvêssemos nos mobilizado para que o país não fosse dominado pelas mesmas pessoas que tentaram destruí-lo no passado, não estaríamos agora discutindo uma questão tão grave. Creio que a maioria aqui concorda que permanecemos numa espécie de letargia enquanto os inimigos da liberdade agiam com grande velocidade.

Imaginemos que o Supremo Tribunal Federal, alertado pela multidão, chegue a mesma conclusão que os manifestantes e convoque as Forças Armadas para intervir, fechando o Congresso e prendendo a Presidente. O que virá a seguir? Serão tempos de paz ou de guerra?

Sem entrar em muitos detalhes, abaixo há uma visão panorâmica apenas dos primeiros dias após uma suposta intervenção.

Uma tropa do Exército cercaria silenciosamente o palácio do Planalto e prenderia e Presidente Dilma, seria mantida em prisão domiciliar até que fosse julgada. Alguém avisaria a imprensa e a notícia se espalharia pela internet como um rastilho de pólvora. 

Instantaneamente a Força Nacional será acionada pelo Poder Legislativo, essa força cercaria o Congresso rapidamente e tentariam impedir que os militares federais assumissem o controle da instituição. Alguns estados que possuem governos fieis ao governo federal, como a Bahia por exemplo, acionarão suas polícias militares e estas serão colocadas de prontidão, guardando as instituições públicas, como palácio do governo e Assembleias Legislativas. Alguns comandantes de quartéis de polícia hesitarão, bem como alguns oficiais de menor patente, e certamente haverá quebra de hierarquia em várias instituições pelo Brasil afora. As associações de policiais também escolherão um ou outro lado e certamente haverá muita confusão entre oficiais e praças. Sindicatos fieis ao governo paralisarão meios de transporte, refinarias e sistemas de comunicação, e os militares não teriam gente suficiente para suprir essas lacunas nos primeiros dias do caos. Logo faltaria alguns ítens básicos.

O Movimento dos Sem Terra, Sem Teto, CUT e partidos radicais como o PSTU, fieis ao governo, se levantarão e colocarão em prática suas táticas de guerrilha urbana há muito estudadas no manual de Mariguella e outros similares. Estudantes das universidades federais filiados aos Diretórios estudantis se aliarão a estes militantes de esquerda e marcharão nas grandes cidades, promovendo vandalismo e quebradeira.

Nas áreas rurais redes de energia seriam sabotadas para desestabilizar o governo próvisório, o governo talvez se sentisse forçado a intervir na internet para freiar a organização dos apositores. Outras medidas autoritárias se seguiriam ao ato para evitar que a esquerda novamente manipule a sociedade, e rapidamente parte da população, ainda nos primeiros dias se somaria àqueles que se posicionam contra os militares, engordando mais ainda as manifestações nos grandes centros.

As forças armadas reprimirão as manifestações, mas como certamente haverá policiais e agentes de segurança ainda fieis ao governo em meio aos insatisfeitos, haveria feridos e mortos de ambos os lados. É quase certo que o Brasil enfrentaria um longo período de caos generalizado, talvez muitos meses. Centenas, talvez milhares de pessoas morreriam nos primeiros embates entre forças armadas e aliados do governo destituído. Os manifestantes recuariam, mas não desistiriam. Se armariam melhor, e melhor organizados e com o apoio de militares desertores e de países aliados do governo, como Cuba e Venezuela, reagiriam de forma sistemática.

Da mesma forma que no passado, militantes de esquerda se organizariam em grupos de guerrilha urbana, usariam até nomes de grupos do passado, como MR8 etc. Com ataques surpresa e ações do gênero essas pessoas espalhariam o terror nas noites das grandes cidades. Hoje ha maior facilidade em se adquirir armas clandestinas, sem contar as que ja existem nas mãos do crime organizado, isso tornaria as coisas mais difíceis ainda.

Paro por aqui, mas creio que deu pra ver que uma “intervenção” não é algo tão simples assim. Nosso país é enorme, complexo, pluripartidário e repleto de ONGS e Grupos de esquerda apoiados pelo governo federal. Seria uma situação complexa demais, deve-se evitar que ocorra, a todo custo.

Gente, eu não gostaria de ver milhares de brasileiros mortos em uma guerra civil. Sabemos que já salvamos o Brasil uma vez, indo para as ruas. Podemos sim tentar de novo, mas talvez haja tempo para que isso seja realizado pela via democratica.

Neste pequeno texto podemos ver de uma forma bastante clara o caos que seria caso os Militares resolvessem fazer uma intervenção. Aconteceria uma verdadeira guerra e muitas pessoas morreriam.

É nisto que devemos pensar antes de tomar qualquer atitude. Devemos pensar nas vidas das pessoas.

Pontos importantes:

Vamos enfatizar alguns pontos importantes:

1 – Este tipo de Movimento serve para fortalecer a esquerda.

Os esquerdistas sempre se colocam como vitimas e sabem muito bem como fazer isso. Eles são psicopatas e mentem compulsivamente. É por isso que acabam convencendo as pessoas daquilo que eles querem, pois eles contam tantas mentiras que fica impossível para o cérebro separar a verdade da mentira. E, como a nossa tendencia é sempre pensar o melhor sobre tudo, então as pessoas acabam concordando que eles realmente são os bonzinhos da historia.

Portanto, uma intervenção militar sem provas, seria o que eles precisam para acusar a direita de “Golpista” e se colocarem como os “democráticos” que estão sendo ameaçados pelos “fascistas”.

2 – É necessário ter um bom motivo que justifique uma Intervenção Militar.

Devemos deixar isto bem claro: Não podemos fazer nada a não ser que tenhamos um bom motivo. E isto inclui acusações e provas pra serem apresentadas em um tribunal democrático.

Então, se não tiverem este material para apresentar, nem pensem em querer ir pra guerra.

3 – Isto pode iniciar uma guerra desnecessária e a Direita será a culpada.

Na intervenção de 64 os conflitos foram mínimos justamente porque foi muito bem organizado e os militares estavam com a razão. Provas não faltavam e somente pessoas muito desonestas ficariam e ficaram contra eles.

Hoje em dia as coisas não são assim e a maioria da população ficaria contra os militares.

O resultado seria a formação instantânea de grupos armados organizados por grupos de esquerda. E isto daria uma guerra sangrenta que seria colocada na conta da direita.

4 – Os militares não estão preparados para ocupar um cargo de liderança.

Os  militares não estavam preparados naquela época e não estão preparados hoje.

A prova disso é que não souberam o que fazer quando chegaram ao poder. Eles deveriam ter reunido intelectuais para montar um plano para fazer uma guerra cultural e mudar a forma de pensar das pessoas. Se tivessem feito isso podem ter certeza que o Lula nunca teria ganhado nenhuma eleição e estes grupos de esquerda não teriam a força que possuem hoje em dia. É muito provavel que nem o Foro de São Paulo existisse, pois ele teria que ser fundado em outro país e sua existência seria revelada no começo impossibilitando o seu fortalecimento.

Mas, em vez disso, eles deixaram as portas abertas para que imbecis abusassem do poder e torturassem pessoas. Além de não fazer nenhuma oposição a guerra cultural que a esquerda estava fazendo. O que acabou criando esta geração de imbecis que temos hoje em dia.

E podem ter certeza que os Militares não mudaram nada.

Se pensam diferente então me mostre qual deles está se consultando com algum intelectual da Direita?

É justamente o contrário. Eu vi um dos organizadores discutindo com Olavo de Carvalho. E isto já é mais do que suficiente para mostrar que não estão nem um pouco preparados para tomar o poder.

5 – Desperdício de Energia.

Fazer este tipo de pedido é o mesmo que atirar no escuro ou dar um golpe no ar durante uma luta.

Você só vai perder energia.

Veja o que aconteceu durante o Periodo Militar.

Eles não souberam o que fazer e, por causa disso, hoje em dia os esquerdistas utilizam o que aconteceu para se fortalecer a ainda se colocarem como os “responsáveis pela democracia”. Quando na verdade eram eles que desejavam impor uma ditadura.

Uma intervenção hoje em dia seria mais “mal feita” do que foi a ultima, o que fortaleceria eles mais ainda.

Devemos guardar as energias e só tuliza-las no momento certo.

6 – Não estamos na mesma situação de nossos vizinhos

Na Venezuela o Maduro pode, a qualquer hora que quiser, cortar a energia e a água de certas regiões do país.

Aqui no Brasil e Dilma não pode fazer isso. Se ela quiser cortar a água e energia de alguma região ela vai ter que mandar o projeto para o parlamento onde será analisado e votado para ver se realmente vale a pena fazer isso.

A nossa democracia impede que o nosso presidente seja um ditador.

É claro que esta democracia foi alcançada graças a Intervenção de 64. E não devemos destruir aquilo que tanta gente lutou para conseguir.

E então, o que devemos fazer?

Estudar

Muita gente pergunta: E então, o que devemos fazer?

A resposta é simples: Comecem por estudar e ler aquilo que os intelectuais da direita escrevem, pois, se estudassem, então não fariam esta pergunta: O que fazer?

Vocês mesmos seriam capazes de responder a questão.

Ocupar os cargos importantes

O que devem fazer é aquilo que já deveriam ter feito a décadas. Devem tomar todos os cargos importantes, pois, se tivessem feito isso, as coisas teriam sido diferentes. Se estes idiotas de esquerda ocupam cargos tão importantes quanto a presidência do país é porque vocês permitiram.

Porque não se candidataram para deputados? Senadores? Presidentes?

Porque não fizeram partidos políticos para defender os interesses liberais e conservadores?

E agora querem simplesmente pegar em armas e tomar o poder a força?

Pedir mudanças

Se as urnas eletrônicas são facilmente manipuladas então devemos pedir por urnas mais confiáveis que imprimem os votos, ou então pedir o retorno do voto impresso.

Se ainda usamos urnas da primeira geração é porque vocês não estão pedindo para que usemos urnas melhores.

Trabalho de conscientização

Devemos divulgar todos os crimes e contradições destas pessoas. Fazer paginas na internet, sites, fundar jornais, revistas, escrever livros, montar grupos militantes, nos tornar atores, cantores, escritores, diretores de cinema, apresentadores de televisão, etc.

Ou você acha que simplesmente tomar o poder vai mudar as coisas?

Ser estratégicos

Nós devemos agir somente quando formos realmente ameaçados, pois assim nos tornamos os corretos da historia. Se fôssemos para a briga agora, então seriamos os errados e isso daria força pra eles agirem.

Se formos os corretos da historia então teriamos ajuda e tomaremos o poder com mais facilidade e, quando a direita esta no poder, o nível de violência é muito menor do que quando a esquerda está no poder.

Porem, se estivermos errados, então os esquerdistas é que receberão ajuda. Então ficará mais fácil para eles tomarem o poder e, quando a esquerda esta no poder, o nível de violência é muito maior.

Por isso só devemos agir se tivermos provas para apresentar e uma justificativa que faria a maior parte da população ficar do nosso lado. O que não acontecerá nas atuais circunstâncias.

A maior parte da população ficaria contra uma intervenção militar, pois, se os pensadores da Direita não estão a favor desse pedido, então o povo é que não ficará.

Guerra Cultural:

Devemos defender todos os aspectos culturais que servem como obstáculo para o crescimento do comunismo.

Exemplos:

  • Devemos defender o cristianismo;
  • A cultura ocidental;
  • A divisão dos poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário);
  • O liberalismo econômico que também chamam de “capitalismo”;
  • Devemos nos opor ao socialismo;
  • Implantar as ideias dos autores Iluministas;
  • Ocupar todas as posições importantes;
  • Fazer paginas na internet, sites, fundar jornais, revistas, escrever livros, montar grupos militantes, nos tornar atores, cantores, escritores, diretores de cinema, apresentadores de televisão, etc.

 Conclusão:

A intervenção é o último recurso do POVO oprimido, e somente neste caso deve-se fazer uma Intervenção Militar.

Ela deve ser em nome do Povo e não em nome dos Militares.

Os Militares precisam estar preparados para “estar no poder” e precisam recorrer a intelectuais de direita para montar planos políticos, econômicos e sociais.

Além disso precisam se consultar com estes intelectuais antes de tomar qualquer atitude, para não fazer burrices como fizeram da ultima vez.

E Devemos deixar isto bem claro: Não podemos fazer nada a não ser que tenhamos um bom motivo. E isto inclui acusações e provas pra serem apresentadas em um tribunal democrático.

Então, se não tiverem este material para apresentar, nem pensem em querer ir pra guerra.

Sabemos que já salvamos o Brasil uma vez, indo para as ruas. Podemos sim tentar de novo, mas talvez haja tempo para que isso seja realizado pela via democrática.

Jefferson Ulisses.

DE: http://liberdadeeconomica.com/home/2014/03/08/intervencao-militar/ // http://sociedademilitar.com.br

 
 

Adicionar comentário

Aguardando moderação e aprovação.

Código de segurança
Atualizar

Online - AGORA.

Conversor de Moedas fornecido por Investing.com Brasil.

 

 

Últimos comentários.

eXTReMe Tracker
Google+